Redes Sociais

24 de julho de 2011

Comportamento controlado por regras

• Regras são estímulos discriminativos (SD) verbais.

• Difere do comportamento operante (modelado por contingências) por ser modelado por instruções verbais, enquanto o operante o será por contingências verbais e não verbais e é modelado por conseqüências relativamente imediatas.

• Este comportamento modelado por regras depende de um falante, enquanto o modelado por contigências não requer necessariamente outra pessoa, bastando a interação com o contexto social.

São considerados regras:

• Instruções;

• Conselhos;

• Ordens;

• O comportamento modelado por regras indica sempre uma relação de longo prazo,mas as regras são seguidas em virtude de seus reforços ou punições imediatas. Mas toda regra está relacionada a uma contingência de reforço último, desembocando num comportamento respondente. (Baum, p. 174)

Paradigma



Relação

• A relação próxima geralmente é óbvia porque o reforço/punição é imediato. Por exemplo: respeitamos os limites de velocidade na estrada para não ganhar multa (reforço negativo). O reforço último neste exemplo está relacionado à sobrevivência pois:

• Velocidade => acidente => aleijamento/morte => impedimento para a perpetuação das espécies.

• No entanto, a regra e seu reforço próximo são temporários, pois uma vez que o indivíduo habito de a segui-las, seu comportamento passa a ser modelado pelas contingências distantes fazendo com que o comportamento de seguir regras torne-se uma categoria funcional (Baum, 177). Exemplo:

• Um estudante que faz os trabalhos acadêmicos seguindo as normas da ABTN, no começo o faz apenas para obter boas notas (reforço positivo). A partir de um determinado período, essa relação de seguir regras torna-se habitual, mesmo quando as contingências não estejam presentes. (reforçamento último).

Fatores negativos

• O fator negativo do comportamento controlado por regras é que com o tempo as pessoas habituam-se a segui-las sem questioná-las, o que colabora para o pensamento cristalizado e a formação e manutenção de ideologia, como vimos durante a segunda guerra mundial, no caso dos nazistas que obedeciam cegamente às regras impostas por seus líderes. Infelizmente tais comportamentos controlados por regras viraram preconceitos que existem até hoje.

Quando as regras não estão presentes.

• Costuma-se dizer que as regras estão “internalizadas” quando são seguidas e não estão presentes no contexto atual. Dessa forma, estamos colocando a regra no âmbito mentalista, o que não favorece a elucidação da questão.

• Mas se não estão “dentro do indivíduo” estão presentes no ambiente, de forma figurativa, sonora ou simbólica, como estímulos discriminativos - (Baum, p. 177), pois a regra pode ter surgido muito antes da apresentação do contexto. Temos assim uma lacuna temporal.

Avalie

Avisos


© 2014-2016 |Todos os direitos reservados|
É proibida a reprodução parcial ou integral do conteúdo deste website, em qualquer forma, sem autorização expressa dos autores.
O conteúdo deste site destina-se a todos aqueles que buscam ajuda psicoterapêutica, porém não substitui o acompanhamento psicoterápico.

As endereços de email são mantidos sob sigilo e nenhuma informação dos usuários é vendida, trocada ou divulgada.

As mensagens enviadas por usuários em particular não serão divulgadas. Solicita-se que os comentários de posts sejam sucintos e discretos. Comentários que contenham relatos de casos serão apagados para preservar o sigilo dos usuários.

Artigo da semana

Postagem em destaque

Psicóloga Bradesco Saúde sp

Psicologa Bradesco Psicologa que atende Bradesco, Amil, Sulamerica, Vila Mariana, SP. Agende sua consulta Gratuita 1199984-9910 ...

♥ psicologa bradesco sp



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


Indicação de Leitura

  • A formação Social da Mente - Vygotsky
  • A mente vencendo o humor - Greenberger, D., & Padesky, C. A. (1999)
  • Amar ou depender - Walter Riso
  • Amor, ódio e Reparação - Melanie Klein
  • Amores que Matam
  • Coleção EMOÇÔES - Mente e cérebro
  • Porque Amamos - Helen Fisher
  • Psicologia do Amor - Nathanael Baden
  • Seis Estudos de Psicologia - Jean Piaget
  • Sexo, Amor, Endorfinas e Bobagens - Cibele Fabichak
  • Solidão - Anthony Storr