8 de dezembro de 2011

Estudos preliminares sobre uso compulsivo de internet

Eu já fui usuária compulsiva de internet.
Quero fazer iniciação Científica.
Gosto de Neurociências, especialmente Neuropsicologia.

Nada mais justo que eu façla minha iniciação cientifica sobre este tema tão importante e pouco estudado. Sendo assim, apreento a voces a introdução do meu trabalho. Aceito críticas e sugestões, desde que sejam pertinentes... rs

__________________________________________________________
Introdução


A comunicação favorece a manutenção e perpetuação das espécies, por isso desde os pri-mórdios da humanidade, o homem sempre desenvolveu meios de comunicação. Da pintura rupestre aos avançados dispositivos tecnológicos o homem busca aprimorar os meios de comunicação.

A rede mundial de computadores (ou Internet) surgiu durante a Guerra Fria com objetivos militares e foi evoluindo até tornar-e o meio de comunicação mais usado no mundo atual-mente. Este avanço proporcionou à humanidade desenvolvimentos em diversas áreas do conhecimento científico, bem como a difusão da cultura e lazer.

De acordo com o Núcleo de Pesquisas em Psicologia e Informática (NPPI), o IBOPE regis-trou de 14 milhões de usuários de Internet no Brasil, com média de 19:24 horas de navega-ção mensal (março/2006). Atualmente, este número aproxima-se de 21 milhões contabili-zando um tempo médio de navegação de 23 horas e 12 minutos, a maior média mundial.

O mundo ficou pequeno; com poucos cliques abre-se acesso à praticamente todo tipo de informação. As redes de relacionamento servem aqueles que pretendem ampliar e/ou man-ter seu círculo de relações. Em tais círculos de relacionamento é possível triar os contatos que interessam, descartando aqueles que não se adéquam ao tipo de relacionamento desejado, pois o espaço virtual tornou-se uma vitrine de pessoas e produtos. Portanto a internet é um espaço de mediação social, onde são produzidas relações afetivas, representações sociais, valores e ideologias.

Embora os ambientes virtuais reproduzam o cotidiano social, algumas diferenças são dignas de menção: uma delas é transitoriedade: os indivíduos conectam-se e desconectam-se de acordo com as respostas que o ambiente proporciona. Outra característica é a impermanência da informação, que trafega pela rede de acordo com os interesses dos usuários.

O comportamento humano também mudou para atender as demandas da vida cibernética: a linguagem tornou-se abreviada; sentimentos são transmitidos através de emoticons; pessoas usam o espaço virtual para propagar suas ideias, vender seus produtos, sua imagem ou seus sentimentos.

Porém, estes avanços trouxeram consigo alguns problemas que serão discutidos ao longo deste trabalho. Dentre o leque de problemas que podem ser apontados, recortamos a com-pulsividade. Para alguns usuários, a internet apresenta-se como uma doce cadeia de onde não conseguem se desvencilhar.

Em 1995 o Centro para Viciados Online da Universidade de Pittsburgh publicou uma pesquisa identificando a Pathological Internet Use ou Uso Doentio da Internet, equivalente ao vício de jogos. Com base no diagnóstico do abuso de substâncias, Goldberg (1995) propõe alguns de critérios para diagnosticar o Uso Compulsivo da Internet que ainda não aparece classificado na CID.10 ou no DSM.IV. Dando continuidade a estes estudos, a Dra. Kimberly Young complementou estes critérios que se encontram no Anexo A deste trabalho (p. 29). A Autra estabelece (1996) estabelece sete fatores colaboram para o desenvolvimento do vicio de internet:

1. Anonimato – garante liberdade de navegação;

2. Segurança – pode-se navegar livremente na Internet sem nenhuma conseqüência;

3. Facilidade de uso e acesso – os softwares são intuitivos.

4. Suporte social – grupos de usuários que se engajam numa comunicação mediada pelo computador, fazendo que os envolvidos tornem-se dependentes dessa convivência contínua.

5. Satisfação sexual – as fantasias sexuais podem ser exercidas quando se envolve em romances virtuais, sem o risco de contrair DST’s;

6. Personalidade virtual – os indivíduos podem agir em um novo papel através de apeli-dos, alterando suas características físicas. Essa modificação permite se transformar numa nova pessoa online. Aqueles que sofrem de baixa autoestima, sentimentos de inadequação e desaprovação constante, correm um risco maior de desenvolver uma personalidade online.

7. Reconhecimento e poder – as personas permitem aos indivíduos obter reconhecimento e o poder, o que nem sempre é refletido na vida real.

Em 1998, foi publicado no Jornal Washington Post, o resultado de uma pesquisa liderada por Robert Kraut, professor da Carnegie Mellon University, cujos resultados indicavam que as atividades sociais online, como a participação em salas de bate-papo e o uso de e-mail, geram solidão e depressão (Kraut et al., 1998).

Em 2000, a revista Superinteressante também abordou o assunto através de uma matéria intitulada “Armadilha Digital” apontando que a dependência virtual tem conseqüências diretas como o isolamento social, na substituição da realidade "real" pela virtual e prejuízos para o desempenho profissional.

Para compreender o uso abusivo da internet, pesquisadores como Viktor Brenner (1997) usou o questionário online Internet Related addictive Behavior Inventory abordando experi-ências similares aquelas associadas ao abuso de substancia do DSM IV (144). (Vide Anexo)

Para o Dr. Cristiano Nabuco de Abreu , as características de usuários graves de internet, que passam muito tempo e que podem ter dependência de internet, são:

 Pessoas inteligentes e mentalmente muito ágeis;

 Referem passar o “dia todo” conectados;

 Pertencentes a todas as faixas etárias;

 Apresentam depressão e/ou ansiedade;

 Preferem as interações virtuais as reais;

 Utilizam a internet para expressar daquilo que realmente são e pensam (refúgio);

 Ciclo de amizades e de relacionamentos muito empobrecido;

 Desenvolvem idiossincrasias na rede.

O que se destaca nestes estudos é o fato de todos apontarem o isolamento e a solidão co-mo fatores desencadeantes da compulsividade ao uso da Internet, pois uma vez que as pessoas sentem-se isoladas é natural que busquem companhia. De acordo com Cacioppo (2008) há milhares de anos, a espécie humana agrupava-se para obter calor, comida, prote-ção na infância e amparo na velhice, portanto "solidão é um sentimento aversivo que motiva você a fazer algo que é crucial para a sobrevivência e o bem-estar - conectar-se com os outros” (Superinteressante, 2009).

Considerando que estes estudos estejam apontando na direção correta, colocando a solidão e o isolamento como fatores desencadeantes do uso compulsivo da Internet, este trabalho visa então, entender os mecanismos neuropsicológicos que estão envolvidos tanto no isolamento, quanto na compulsão. Para esse fim, este trabalho foi dividido em 04 capítulos:

1) A Evolução: do primata ao ser virtual, que busca compreender a formação da vida social do homem;

2) O desenvolvimento do Cérebro humano, que pretende mostrar quais são as áreas corti-cais envolvidas no sentimento de solidão e no desenvolvimento da compulsão.

3) O Comportamento aprendido, que pretende mostrar a gênese das compulsões com base nas teorias de Pavlov e Skinner

4) O Homem na Internet, que busca entender a forma que o homem moderno se relaciona com a inernet.




The End of Alone. [Online]. Disponível em . Acesso em 18 de de-zembro de 2011

X AGUILAR, Luís. Aprendizagem – o comportamentalismo. [Online]. Disponível em < http://alunos.di.ubi.pt/~a14676/psicologia/condicionamento.pdf>. Acesso em 30 de novembro de 2011

ALVES, Lynn. PSICOLOGIA & INFORMÁTICA: Produções do III PSICOINFO e II JOR-NADA do NPPI. Jogos eletrônicos e violência: delineando novos espaços para catarse. Casa do psicólogo, 2006.

X AMARAL Júlio Rocha do; OLIVEIRA, Jorge Martins de. Introdução: As Três Unidades do Cérebro Humano. [online]. Disponível em . Acesso em 07/ de dezembro de 2011.

X BAUM, Zigmunt. A Sociedade Individualizada. Vidas contadas e Histórias vividas. Za-har, São Paulo, 2001.

BERGER, Kathleen Stassen. O desenvolvimento da Pessoa: da infância à terceira idade. 5ª Ed.Rio de Janeiro. LTC Editores.

BOCK, Ana Mercês Bahia. A psicologia Sócio-histórica. Uma perspectiva critica e psicolo-gia.

BOMFIM, Z. A. C. (2003). Cidade e afetividade: Estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e de São Paulo. Tese de doutorado não publicada, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

X CACIOPPO John, PATRICK, William. Loneliness. W. W. Norton & Co., 2008.

X CASTELLS, Manoel. A galáxia da Internet. Reflexões sobre internet. Negócios e soci-edade. Zahar ed.

X CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. 2ª. ed. Brasiliense. S. Paulo, 1981.

CONSENTINO, Leonardo. PSICOLOGIA & INFORMÁTICA: Produções do III PSICOINFO e II JORNADA do NPPI. Aspectos evolutivos da interação homem-máquina. Tecnologia e evolução humana. Casa do psicólogo, 2006.

CORRALIZA, J. A. (1998). Emoción y ambiente. In J. I. Aragones, & M. Amérigo. Psico-logía ambiental (pp. 281-302). Madrid, España: Ediciones Pirâmide.

COSTA da Nicolacci. Na malha da rede: os impactos íntimos da Internet. Rio de Janeiro, 1998.

DAMÁSIO, António R., O Erro de Descartes – Emoção, Razão e Cérebro Humano, Forum da Ciência, Publicações Europa-América, 8 ª edição, 1995.

_______ O Sentimento de Si – O corpo, a Emoção e a Neurobiologia da Consciência. Forum da Ciência, Publicações Europa – América, 10 ª edição, 2000.

FADIMAN, James e FRAGER Robert. Carl Rogers e a perspectiva centrada na pessoa. In: Personalidade e Crescimento pessoal. Porto Alegre: Editora Artmed, 2004, 5ª edição

DUPONT, Souzanne Langner. Análise do Livro "Coerção e Suas Implicações", de M. Sidman, 1995. Online. Disponível em . Londrina, 2007. Aceso em 28 de agosto de 2010

CLÉUZIO Fonseca Filho. História da computação: o caminho do pensamento e da tecnolo-gia. EDIPUCRS, 2007.

EGGER, O. Internet Behavior and Addiction. 1996. Online. Disponível em <

www.ifap.bepr.ethz.ch/~egger/ibq/res.html>. Acesso em 04 de Janeiro de 2011.

X ESPERIDIÃO-ANTONIO, Vanderson, et al. Neurobiologia das emoções.05 de outubro de 2007. [ONLINE]. Disponível em . Acesso em 30 de Novembro de 2011

GLEIZER, M. A. (2005). Espinosa e a afetividade humana. Rio de Janeiro: Zahar. (Origi-nalmente publicado em 1961)

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: 34, 1992.

GOLDBERG I - Internet addiction disorder – Diagnostic criteria. Internet Addiction Sup-port Group, 1995. [Online]. Disponível em . Acesso em 08 de dezembro de 2011

KLEIN, Melanie; RIVIERE, Joan. Amor, ódio e reparação. 4ª ed. Rio de Janeiro. Imago, 1974

LANE, S. T. M. (1994). A mediação emocional na constituição do psiquismo humano. In Novas veredas da psicologia social (pp. 55-63). São Paulo: Brasiliense.

X LANT, Robert, Org. Neurociência da mente e do Comportamento. Ed. Guanabara Koo-ga. Rio de Janeiro, 2008.



X MIKOSZ, Carolline. Gath Saude Mental. [Online]. Disponível em <>. Acesso em 04 de dezembro de 2011.

X MORAIS, Jomar. Armadilha Digital. In Superinteressante. [Online]. Disponível em . Acesso em 8 de de-zembro de 2011

X MOREIRA, Márcio Borges. MEDEIROS Carlos Augusto de. Princípios Básicos de Análi-se do Comportamento. Editora Artmed. Porto Alegre, 2008.

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. Internet: a negatividade do discurso da mídia versus a positividade da experiência pessoal. À qual dar crédito? Estud. psicol. (Natal), Natal, v. 7, n. 1, Jan. 2002. Disponível em . Acesso em 04 de dezembro de 2011.

X PORTAL SÃO FRANCISCO. Ivan Petrovich Pavlov. [ONLINE]. Disponível em . Acesso em 03 de novembro de 2011.

X PAVLOV, Ivan Petrovich. Reflexos Condicionados. México: Edições Pavlov, DF, s/d.

____ Reflexos Condicionados, Inibição e Outros Textos. Lisboa: Editorial Estampa, 1971.

X ORNELAS, Cesar Oscar. Uma análise da amizade sob a ótica evolucionista. Disserta-ção de Mestrado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.IP-USP, 2010

X QUEIROZ, Cobra Rubem - Educação e Comportamento: Resumos Biográficos. [Onli-ne] disponível em . Brasília. Acesso em 04 de dezembro de 2011.

X SAYEG, Elisa (org). Coleção Qualificação Profissional. Psicologia e Informática: In-terfaces e desafios. Casa do Psicólogo, 2000.

SKINNER, Burrhus Frederic. Ciência e Comportamento Humano. Trad. João Todorov. Martins Fontes, 2007.

TAPSCOTT, Don. Geraçao Digital. A crescente e Irreversível ascensão da Geraçao Net. Marron Books. São Paulo, 1998.

TOSCANO, Maria Eulália Sobral: Orkut: o hipertexto da socialização. Online. Disponível em < http://www.fflch.usp.br/dlcv/enil/pdf/97_Maria_Eulalia_ST.pdf> acesso em 16 de de-zembro de 2010.

THOMPSON, S. Internet Connectivity: Addiction And Dependency Study 1996. Disponí-vel em . Acesso em 04 de janeiro de 2011

TRIPICCHIO, Adalberto. Ivan Pavlov: A Psicopatologia Clínica Russa. 09 de julho de 2007. [Online] <>. Acesso em 04 de dezembro de 2011.

TURKLE, Sherry. O segundo Eu: os computadores e o espirito Humano. Lisboa. Pre-sença, 1989.

______. A vida no ecrã: a identidade na era da Internet. Lisboa. Ed. Relogio d`água, 1997.

VIGOTSKI. L. S. (1991). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

X YOUNG, K. Internet Addiction: The Emergence of a New Clinical Disorder. Paper pre-sented at the 104th annual meeting of the American Psychological Association, Toron-to. Canada, August 16, 1996. Disponível em < www.netaddiction.com/articles/newdisorder.htm>. Acesso em 04 de Janeiro de 2011.

ZIZEK, Slavoj (org.). Um mapa da Ideologia. Rio de Janeiro. Ed. Contraponto, 1994.

♥ psicologa bradesco sp



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...