16 de dezembro de 2013

Mecanismos de defesa no Filme: O espelho tem duas faces

Ontem, véspera de feriado, no meio da tarde, por acaso, achei um filme no Canal Fox que me chamou muito a atenção. Chama-se "O espelho tem duas faces". e Eis uma pequena sinopse:


Dois professores da Columbia University sentem-se solitários, pois não conseguiram se envolver com quem eles queriam. Ele, Gregory Larkin (Jeff Bridges), é um professor de matemática extremamente introvertido e que ainda idolatra Candy (Elle Macpherson), a antiga namorada que o trocou por outro. Ela, Rose Morgan (Barbra Streisand), é uma professora de literatura muito comunicativa, que viu sua grande paixão, Alex (Pierce Brosnan), se casar com Claire (Mimi Rogers), sua irmã. Ao ver o anúncio de Gregory em um correio sentimental, ela decide responder como se fosse apenas Rose, já que ambos pertencem a mesma universidade. Após alguns encontros totalmente platônicos Gregory pede Rose em casamento, mas decidem ter um união baseada apenas nas suas preferências intelectuais e totalmente desprovida de sexo. No início ela consegue suportar tal situação, mas com o tempo a relação entra em crise e ela decide se produzir, para conquistar realmente seu marido e ter um casamento de fato e não apenas de direito.

Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-15643/

Pela sinopse já deu pra perceber de que se trata: de triangulações amorosas.

Mas as triangulações não param por aí, ou melhor não começam por aí. Elas começam na relação entre a mãe e suas duas filhas.
A mãe é uma senhora lindíssima e extremamente vaidosa, que exige que suas filhas também o sejam. Claire, a mais nova realmente atende aos ensejos da mãe e torna-se uma mulher exuberante. Mas Rose....não. Esta prioriza seus dotes intelectuais. Neste contexto o filme mostra as divergências entre Rose, sua irmã e sua mãe.  

Outra triangulação existente, e talvez a mais importante e mais subjetiva do filme é a que há que entre Rose-Alex-Claire.  Alex é o tipo bonito-rico-inteligente-bonzinho com quem Claire se casou por interesse (motivo manifesto), mas seu interesse era tirar o bonitão da sua irmã, acreditando que esta não o merecia...

Esta triangulação gera outras: 

Alex-Claire-massagista:
Parece que a combinação dinheiro-beleza-poder não foi suficiente para prender Claire ao lado de Alex, pois ela vai embora com o massagista...e este fato acaba jogando Alex novamente nos braços de Rose, mas... ele chega um pouco tarde, conforme veremos adiante.

Alex-Rose-Gregory

Claire tem ciumes da irmã Rose. e tenta arrumar-lhe um namorado. Assim escreve uma carta a Gregory, que se interessa e vai assistir a uma aula que ela está ministrando, por sinal na mesma Universidade. 

Ao chegar no auditório nota com espanto que este está lotado e a professora Rose está falando sobre amor romântico. Mas ele pega apenas uma parte da aula onde ela está mencionando Jung e as constelações familiares, e sai no momento em que ela está falando sobre contos de fada.

Ao explanar sobre o tema, Rose fala que os contos de fada sempre acabam em casamento, porque os casamentos na verdade, são o fim do conto de fadas, ou seja do sonho romântico. Neste momento, Gregory sai do auditório e não ouve o restante da aula, onde ela fala que apesar disso, as pessoas devem continuam a buscar o romantismo nas relações.

Mecanismos de defesa:

A Saíde de Gregory neste momento, ilustra seu primeiro mecanismo de defesa: negação, que de acordo com Laplanche& Pontalis significa: "processo pelo qual o indivíduo, embora formulando um de seus desejos, pensamento ou sentimento, até aí recalcado, continua a defender-se dele, negando que lhe pertença" (p. 373).
Essa "saída a francesa" de Gregory do recinto, nada mais é do que uma negação dos sentimentos que o conteúdo da aula lhe trouxeram. Conteúdos recalcados, naturalmente. A menção de palavras "amor", "paixão" e "casamento", fizeram que com que estes conteúdos "adormecidos" batessem a porta da mulhara de defesa.. e isso incomodou. Foi melhor sair do auditório pra não ter de lidar com isso.

Mas por que isso incomodou Gregory?
Porque ele tinha acabado de sofrer uma rejeição amorosa. Parece simples demais, mas no filme isso tá bem claro (até pra quem não entende nada de psicanálise Freudiana). E é sabido que rejeição é algo doloroso, como se alguém nos negasse algo que é nosso por direito (embora não seja). A rejeição faz com que o indivíduo sinta-se "menos indivíduo",  inferior, diminuido, é como se não merecesse ser amado porque não é completo (mas existirá alguém completo neste mundo?).
Naturalmente, rejeições reprimem sentimentos. As defesas são utilizadas para manter estes conteúdos afetivos bem reprimidos, guardados a sete chaves num baú onde ninguém pode sequer imaginar que exista. Fato: quanto maior o conteúdo reprimido, mais fortes são as defesas, o9u se preferir: as defesas são proporcionais à intensidade do sentimento reprimido... Por isso Gregory " se mandou" bem depressa.

Mas o conteúdo reprimido sempre encontra um jeito de vir a tona, seja por sinais, seja por sintomas. Freud traz um conceito chamado de representante ideativo, onde a pulsão se fixa num represante do recalcamento originário (Laplanche e Pontalis, p. 589). 

Ora, depois dessa "aula de afetividade", Gregory  passou a se fixar na intelectualidade, seu representante ideativo (que já existia nele muito antes), mas que se torna visivel deste ponto em diante do filme. Ele busca conhecer melhor Rose, ressaltando o fato de ela ser uma mulher inteligente, brilhante, etc... e que beleza realmente não importa.

Assim Rose e Gregory se casam, mas não... ainda não é o final feliz.

Tanto Gregory quanto Rose tem conteúdos reprimidos demais, que buscam disfarçar através das intelectualizações -" processo pelo qual o indivíduo busca dar uma formulação discursiva aos seus conflitos e às suas emoções de modo a  dominá-los" (Op cit, p. 315)-  e racionalizações  "Processo pelo qual o indivíduo procura apresentar uma explicação lógica e coerente do ponto de vista lógico, aceitável" (op. Cit, p. 543)

Gregory manifesta suas intelectualizações quando tenta explicar a atração sexual por formulas matemáticas; Rose, manifesta sua racionalziação quando afirma que o melhor do casamento é a convivência, sexo não é importante, pois é um "sentimento inferior"...

Ok. Mas não funciona assim. Pra desespero de Gregory e Rose....o relacionamento toma outros rumos.
Qualquer pessoa que já viveu uma paixão sabe, que por mais que se reprima um sentimento, ele assume outra forma e acaba voltado, ou.. volta da mesma forma, mais fortalecido, como um animal selvagem que ficou contido pela jaula durante algum tempo.

Porém, mesmo com a paixão nitidamente batendo as portas, o casal prefere resistir e manter seu casamento-racionalizado-intelectualiziado. Assim, continuam tratando-se um ao outro com educação, carinho, mas sem nenhuma intimidade física.

Uma cena que me chamou atenção foi a seguinte: Gregory está fazendo ginástica no chão e suas costas doem. Rose massageia o lugar, mas aos poucos, suas massagens transformam-se em carícias. Quando Gregory percebe, levanta-se e vai pra toalete, alegando que já está curado.

Bem, eu poderia mencionar outras tantas passagens, mas não quero tornar este port cansativo demais.

Não vou falar o final!!!!!!

Só pra finalizar: se você quer entender um pouco mais sobre os mecanismos de defesa, sugiro que assista ao filme. Vale a pena.

Referências:
LAPLANCHE, J. PONTALIS J-B. Vocabulário de Psicanálise. 9ª edição. Martins Fontes, ed. 1986.