5 de agosto de 2017

Relacionamentos Promissores

Relacionamentos Promissores: O que são, e como mantê-los?


consulta psicológica, psicologa, agendamento de consulta gratuita, preços de terapia, psicoterapia, atendimento, psicoterapico,psicoterapia, psicologa, psicologo, psicanalista, gestalt, terapia cognitivo comportamental, testes, avaliações, quanto custa consulta, atendimento, psicologico, psico, estresse, psicologa, tratamento, convenio,  terapia de casais,depressao, estresse, ajuda emocional, convenio psicologico, marcar consulta, sao paulo psicologa, preco de consulta, valor da consulta psicologa,primeira consulta psicologica gratis, terapia, psicoterapia, psicologia, tratamento para depressao, tratamento para ansiedade, dificuldade de relacionamento, crianças, adultos, idosos, casais, grupos, palestras, estresse, obesidade, ciúme, amor, namoro, casamento, sexo, sexualidade, luto, patologia tratamento, psicóloga allianz, psicólogo, allianz, psicóloga, allianz psicólogo saúde bradesco, psicóloga saúde porto seguro,  clinica de psicologia, consultorio psicologia, convenio psicologa, consultorio psicologigo vila mariana, bradesco saude, amil, unimed, golden cross, reembolso, omnit, psicologa na vila mariana, psicologa que atende amil em Sp, psicóloga que atende saúde bradesco em sp, Psicologa que atende Sul America em Sp


Em tempos de liquidez afetiva (Bauman, 1999), estabelecer relações promissoras parece impensável. Tanto na vida familiar, profissional, afetiva ou pessoal, os relacionamentos se configuram como utilitaristas, ou seja, existe uma tendência a pensar sobre os relacionamentos em termos de perdas/ganhos. Não que esta ideia seja totalmente equivocada, afinal todos querem dar e receber algo. Talvez o equívoco aqui seja o que  se espera em troca?

Numa sociedade cada vez mais individualizada como a nossa, onde a competitividade é palavra de ordem, somos condicionados a ver o outro como nosso "rival", alguém que vai tirar aquilo que conquistamos.Neste cenário, as relações são marcadas por forte desconfiança.

É possível confiar no outro?

Naturalmente, a resposta não é tão simples. Seria leviandade afirmar que todas as pessoas são dignas de confiança ao primeiro contato. É preciso conhecer seus princípios, sua forma de se relacionar, suas esperanças, etc.  No entanto, não é saudável manter-se em estado de alerta e desconfiança continuamente. É preciso arriscar-se um pouco no momento de estabelecer novos relacionamentos, O ideal é conhecer o momento certo de investir e recuar. Ressaltando que também somos avaliados pelos outros...

Confiança é suficiente?

É um ingrediente importante, mas não é suficiente.
Para estabelecer relações saudáveis é importante que haja EMPATIA, ou seja a capacidade de colocar-se no lugar do outro, compreender o que e o porquê sente aquilo que sente.
Especialmente nos relacionamentos amorosos, a falta de empatia colabora para minar relações que pareciam promissoras a princípio.

O papel da Empatia nas relações

Embora seja difícil, praticar a empatia não é algo impossível, nem exige "cursos de especialização", mas é necessário que deixemos nossa "zona de conforto" para entrar na zona de conforto do outro, por um momento apenas, retornando para a nossa assim que possível.  Não se trata de mudar de ponto de vista, mas colocar-se no lugar do outro para entender seu contexto.

Ao se colocar no lugar do outro, fica mais fácil compreender as variáveis que o levam a agir de determinada forma, seus pensamentos, sentimentos e comportamentos. 

Que fique bem claro: colocar-se no lugar do outro não de ser entendido como adotar sua personalidade  forma permanente, ao contrário, é "ir até ele e voltar para você em seguida".

Também não é concordar com seus valores, ou aceitar seus comportamentos equivocados. É apenas compreender para não cometer julgamentos prejudiciais à relação.

Na prática ter empatia com o outro é compreender que se o outro está triste, é porque aconteceu algo fora das relação, e dar ao outro o tempo suficiente para se refazer do susto.

Talvez a dificuldade em praticar a empatia nas relações amorosas se dê pelo simples fato de que um dos pares (as vezes os dois) se colocam como centro do universo da vida do outro, e acreditam viverem numa bolha onde nada mais os afeta, apenas o amor deve bastar, ignorando as variáveis que vêm de fora. Este quadro é comum nas paixões iniciais (quando parte do cérebro está ocupada em produzir ocitocina para promover a vinculação e o senso crítico está prejudicado). Neste cenário mental, praticar a empatia é difícil , pois é natural que o indivíduo exija toda atenção para si. Mesmo assim, é possível ser empático, justamente para viver uma relação mais saudável quando a paixão diminuir.

Conclusão:

Relacionamentos promissores exigem, confiança, compreensão e empatia.

 Exigem um pouco mais... É preciso enxergar o outro como ele é, sem deixar de ser você mesmo.

É preciso ir ao outro, e saber voltar para si.



Leia mais:




Pulicado originalmente em 15 de dezembro de 2015




Relacionamentos promissores

casamento feliz

namoro feliz