16 de outubro de 2016

A banalização do amor

psicologa sp, psicologa bradesco, psicologa saude bradesco, sp, psicologa amil sp, psicologa sulamerica, sp, psicologa golden cross, sp, vila mariana, convenio por reembolso, crianças adultos casais





Nosso amor não deu certo
Gargalhadas e lágrimas
De perto fomos quase nada
Tipo de amor que não pode dar certo
na luz da manhã
(Cazuza. Eclipse Oculto)






É comum chamar de "amor" as pessoas que se amam (Amor, quer sair pro jantar?); pode ser usada para qualificar algo (Que amor de vestido!), ou exaltar as qualidades de alguém (A professora é amor).  

Entretanto não é apenas a palavra "amor" que caiu na banalização, mas também a afetividade tornou-se fluída na pós-modernidade. O Sociólogo Zigmunt Bauman trata deste assunto em seu livro "Amor Líquido" (recomendo a leitura) onde trata da forma com que as relações se tornaram fluidas e inconsistentes no mundo globalizado.                                
Segundo Bauman:

Abandonar e destituir foram celebrados, por um breve período, como a derradeira libertação do sexo da prisão em que era mantido por uma sociedade patriarcal, puritana, desmancha-prazeres, hipócrita e ainda por cima desafortunadamente vitoriana.  Aqui estava, afinal, um relacionamento mais puro que a pureza, um encontro que não servia a outro propósito senão o prazer e a alegria. Uma felicidade de sonho, sem restrições, sem medo de efeitos colaterais e portanto alegremente cega às suas consequências. Uma felicidade do tipo "satisfação garantida ou seu dinheiro de volta" A mais completa encarnação da liberdade, tal como definida pela sabedoria e pela prática populares da sociedade de consumo. (2004, p. 30)

Na concepção de Bauman, a banalização do amor se relaciona com a consagração da liberdade afetiva, onde o que é importa é colecionar conquistas e cada parceiro afetivo é um troféu. Trata-se de um “consumismo de gente”, quando as pessoas são vistas como mercadorias afetivas de acordo com seus atributos e as relações são fragmentadas. Não há mais tempo, nem interesse para promover a intimidade; a proximidade só existe enquanto o outro tiver algo a oferecer, ou até que aparece uma oferta mais gratificante no “mercado afetivo”.

A banalização do amor ocorre quando as pessoas se descartam mutuamente. Basta que haja um ponto de vista diferente e o romance que poderia dar certo afunda! Ou seja, quando um dos pares não atende o que foi idealizado corre o risco de ser colocado de lado. E assim inicia-se uma nova busca, por parceiros que atendam os “requisitos básicos”.

Esta prática é muito comum nas redes de relacionamento virtuais: as pessoas usam categorias para se conhecerem:  se quer um parceiro universitário, irá nas redes sociais ou chats onde é possível encontrá-los e com certeza irá conhecerá muitas pessoas com as mesmas afinidades. Mas isso não é garantia de êxito na relação, porque a partir do momento em que foi feita uma categorização, é bem provável que a relação se desenvolva a partir dela.

O risco que se corre neste caso é vincular a imagem da pessoa real à idealizada, uma vez que o amor baseado em categorias desconsidera outras formas de ser e pensar da pessoa escolhida.  Se você conseguir perceber que o outro é um indivíduo que vai além das categorias pré-estabelecidas, desvinculada de supostos conceitos, certamente poderá vivenciar uma relação que não caia na banalização, ou quem sabe, um grande amor!

♥ psicologa bradesco sp



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...