1 de maio de 2017

Relacionamentos Afetivos

Alguns autores da psicologia moderna (Cruz e Maciel, 2002) entendem que os relacionamentos afetivos são fenômenos sociais, uma vez que as pessoas tendem a se aproximarem em função das variáveis presentes no ambiente.

Psicologa Bradesco| Psicologa Amil

Os relacionamentos afetivos são organizados  com base nos espaços individuais construídos em espaços sociais, ou seja, a relação será mediada não só pelo desejo, mas pelas crenças e valores.

A ideia de complementariedade  (Eu te amo porque você me completa), tende a levar muitos relacionamentos para o abismo, pois se subtende daí a ideia de uma pessoa incompleta. Oras, o que seria uma pessoa incompleta?

A Incompletude remete à falta, portanto uma pessoa incompleta seria aquela a quem algo falta. E se algo lhe falta é justo exigir que o outro preencha esta falta dentro do relacionamento afetivo?

A resposta é bem clara: NÃO, pois esta postura vai exigir que o outro abra mão de si mesmo para satisfazer seu parceiro (que nem sempre saberá reconhecer). Abrir mão da individualidade, para atender os caprichos de alguém nos relacionamentos afetivos é praticamente suicídio psíquico, pois a individualidade compreende crenças, valores e tradições que foram construídas ao longo de uma existência e não podem simplesmente ser apagadas como se fossem um traço a lápis.

Segundo Cruz, Wachelke e Andrade (2012), o que colabora para formar uma relação amorosa e dar-lhe sustentação é o conhecimento da forma cada indivíduo funciona, uma vez que este conhecimento proporciona facilidade na tomada de decisões diminuindo os atritos.

Os autores (op. cit.) destacam que alguns ajustes que favorecem a manutenção de um relacionamento são:

1 -  Evitar generalizações: o outro nem sempre sabe o que você pensa.

2- Ser claro: para evitar interpretações equivocadas

A Manutenção da relação

Na abordagem comportamental, amar equivale a estar dispostos a fazer para uma pessoa coisas que ela gosta que sejam feitas, ou seja reforçá-la positivamente a fim de obter respostas gratificantes. (SKINNER, p. 45), por isso é comum o uso de flores, cartas, e-mails românticos, músicas, poesias, lingerie enfeitada, para executar a dança da sedução e assim obter reforçadores sexuais e / ou afetivos.

Referências

CRUZ, Roberto Moraes;  WACHELKE, João Fernando Rech; ANDRADE, Alexsandro Luiz de. In Avaliação e medidas psicológicas no contexto dos relacionamentos amorosos. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2012.

SKINNER, B.F. Sobre o Behaviorismo Ed. Cultrix, São Paulo. SP. 1982. Trad. Maria da Penha Villalobos.

Textos sobre Relacionamento

Widget Recent Posts

Artigo da semana