Ter ou não ser: eis a Questão!!

É muito comum que algumas pessoas deem vazão ao seu lado consumista, adquirindo certos bens que não precisam, e que jamais teriam pensado em comprar se....não fosse a vontade irresistível de possui-lo, apenas para alavancar sua autoestima.

consumismo; psicologa Amil


Ok! A intenção aqui é fazer uma reflexão sobre o tema, buscando ampliar a compreensão sobre  o tema.

Meu ponto de partida é a Pirâmide de Maslow



  1. degrau:
  2.  necessidades fisiológicas (básicas), tais como a fome, a sede, o sono, o sexo, a excreção, o abrigo;
  3. degrau: 
  4. necessidades de segurança, que vão da simples necessidade de sentir-se seguro dentro de uma casa a formas mais elaboradas de segurança como um emprego estável, um plano de saúde ou um seguro de vida;
  5. degrau
  6. necessidades sociais ou de amor, afeto, afeição e sentimentos tais como os de pertencer a um grupo ou fazer parte de um clube;
  7. degrau
  8. necessidades de estima, que passam por duas vertentes, o reconhecimento das nossas capacidades pessoais e o reconhecimento dos outros face à nossa capacidade de adequação às funções que desempenhamos;
  9. degrau
  10. necessidades de auto-realização, em que o indivíduo procura tornar-se aquilo que ele pode ser:


Maslow parte das necessidades básicas dos indivíduos até as necesidades mais elevadas como a autorealização, passando por   três outras graduações.

Nota-se que o gosto pelo supérfluo, de acordo com Maslow não se encontra em nenhum degrau da pirâmide, o que não significa que foi ignorado, mas que provavelmente esteja embutido em outra categoria.

Se considerarmos que o supérfluo serve para satisfação pessoal, e que esta satisfação estaria ligada à busca pela aprovação social, então para alguns o consumismo estaria encaixado no terceiro degrau da pirâmide onde o que conta é a busca pelo pertencimento, pois nesse caso ter é igual a ser.

Exemplo: se um indivíduo tem um carro novo, significa que (aparentemente) pertence a uma classe social privilegiada; se usa determinadas grifes, então pertence também a determinada classe de pessoas.

Portanto se chegamos a conclusão que a busca pelo ter é a busca pelo ser.

No entanto, as coisas não ocorrem desta forma: Por mais que alguém gaste todo seu décimo terceiro em roupas e sapatos caros, não pertencerá às camadas sociais destacadas. E aí aparece a frustração, porque a roupa não encobre a miséria psíquica que desfila nas passarelas da vida.

Por isso é bom refletir antes de sair pra "gastar um pouquinho e espairecer", pois isso pode ser considerado como uma fuga da realidade, e as fugas não solucionam nenhum conflito.

Vale a pena refletir: o que se busca na Etiqueta, na Marca, na Grife. Que identidade estaria escondida por trás da etiqueta. "Quem eu sou"e "Quem estou buscando ser".

Lembrando sempre que SER é muito diferente de TER!

Comentários

  1. Maris stella, gostei deste pequeno artigo, e concordo com você ao mostrar que por trás do consumismo há uma busca por aceitação social de determinadas classes, em que isto corresponde a um querer "ter" para entrar no "ser" de um determinado grupo social.
    No entanto, discordo com a conclusão do artigo, quando assim vc se expressa:
    "No entanto, as coisas não ocorrem desta forma: Por mais que alguém gaste todo seu décimo terceiro em roupas e sapatos caros, não pertencerá às câmadas sociais destacadas. E aí aparece a frustração, porque a roupa não encobre a miséria psiquíca que desfila nas passarelas da vida."

    Ora, nessa classe social dos "grifeiros" e "socielates" e "pomposos exibicionistas" quanto não vemos de pessoas que por mais que dinheiro a vida lhes deu, são uns completos idiotas, e por mais "formados"(engenheiros, tecnicos, médicos, advogados... etc.) são, no que concerne À VIDA, completamente despreparados, muitas das vezes emocionalmentes. Quantas pessoas desse grupo são pessoas arrogantes, chatos, egoístas, individualistas, materialistas, falsos, mesquinhos etc.,etc....
    Então, a "miséria psíquica" que você colocou, não se constitui, de fato e de verdade, em empecilho para que pessoas de uma certa classe social adentre em outra. Visto que, em nossa sociedade, o que de fato, em última análise se sobressai, é o ter em detrimento do ser. O ser só é pensado e analisado em discursos teoricos, e em raras pessoas de nossa sociedade, mais sensível ao que é mais importante e do que realmente é mais importante.
    Bom, esse é o meu ver este contexto.
    No mais, seus artigos se reveste de temas bem interessantes, até mesmo pra quem não é da área da psicologia, como eu. inté...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Muito Obrigada por seu comentário!!!!

Tudo de bom pra você

Psicóloga SP Vila Mariana S. Paulo Terapia online presencial

Postagens mais visitadas deste blog

Análise da letra "O Papa é POP"

As cinco fases do luto no término dos relacionamentos

A necessidade de aceitação

Vídeo